Tamanho do texto

De acordo com associação comercial, 90% dos gregos estão comprando menos este ano em comparação com 2010

Segundo associação comercial, 90% dos gregos estão comprando menos este ano
ASSOCIATED PRESS/AP
Segundo associação comercial, 90% dos gregos estão comprando menos este ano
As famílias gregas gastaram nas festas natalinas deste ano 30% a menos que no mesmo período de 2010, de acordo com relatório publicado nesta terça-feira pela Confederação Nacional de Comerciantes Gregos (ESEE).

A associação explicou que estes são os piores índices de consumo natalino até o momento, e que 90% dos gregos estão comprando menos este ano. "Nove em cada dez gregos são menos generosos, não porque queiram, mas por necessidade", afirma o relatório, que classifica as festas na Grécia como um "triste Natal".

Leia mais : Desemprego cresce 17,7% na Grécia no terceiro trimestre

"Este ano o consumidor grego sofreu muitas mudanças: no humor, no comportamento, nas prioridades, nos hábitos e também em suas preferências pelos presentes de Natal. Só um em cada cinco consumidores escolheu roupa e calçado como presentes; dois em cada cinco compraram presentes infantis e brinquedos e outros dois em cada cinco optaram por pequenos detalhes como presente", acrescenta.

Segundo os dados da associação, neste Natal as compras caíram 40% em roupas e calçados, 30% em produtos eletrônicos, 20% em cosméticos e livros e 15% em alimentos e bebidas. Os únicos produtos que mantiveram o nível de vendas foram os brinquedos infantis.

Veja também : Déficit da Grécia cresce 5,1% no ano até novembro

Desde que explodiu a crise da dívida em 2010 e o Governo aprovou uma série de duras medidas na economia em troca de um empréstimo de 110 bilhões de euros da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI), quase meio milhão de pessoas perderam seus empregos, milhares de negócios fecharam as portas e muitos gregos emigraram para outros países.

Entenda a crise na Grécia e suas implicações

Atualmente, Atenas negocia com a União Europeia e o FMI as condições para receber um novo empréstimo de 130 bilhões de euros, além do perdão de 50% de sua dívida nas mãos de bancos privados e de grandes fundos de investimento.