Tamanho do texto

País recebeu 5,9 bilhões de euros da zona do euro e 1,6 bilhão de euros do FMI

A Grécia recebeu os primeiros 7,5 bilhões de euros de ajuda do novo resgate da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI), com a maior parte do pagamento destinando-se ao pagamento de títulos mantidos por bancos centrais da zona do euro, afirmaram nesta terça-feira funcionários do governo.

O FMI e os parceiros da Grécia da zona do euro aprovaram na semana passada um segundo resgate de 130 bilhões de euros (US$ 172,15 bilhões) para manter o endividado país solvente até 2014.

"Recebemos 5,9 bilhões de euros da zona do euro e 1,6 bilhão de euros do FMI", disse à Reuters um funcionário do Ministério das Finanças.

O funcionário disse que a Grécia usará esse dinheiro para pagar 4,66 bilhões de euros ao Banco Central Europeu (BCE) e outros bancos centrais nacionais da zona do euro pelo montante de capital de um título de três anos que venceu nesta terça-feira. O valor também cobrirá cerca de 200 milhões de euros em juros sobre o mesmo título, com o restante cobrindo necessidades orçamentárias, disse o funcionário.

Na maior reestruturação de dívida da história, os credores privados assumiram perdas em suas carteiras de títulos gregos, mas não os credores do setor público, como o BCE, o que significa que Atenas ainda tem de pagar cupons e dívida a vencer.

O Parlamento deve ratificar o acordo de resgate ainda nesta terça-feira, como esperado.

Um porta-voz do governo disse que Atenas nomeará um novo ministro das Finanças para substituir Evangelos Venizelos na terça-feira ou quarta-feira. Venizelos saiu na segunda-feira para liderar o partido socialista PASOK nas eleições marcadas para o começo de maio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.