Tamanho do texto

O objetivo é reduzir os desperdícios, e não reduzir ainda mais os salários, diz premiê

O governo grego que surgirá das eleições legislativas previstas para maio deverá manter a política de saneamento das contas públicas e reduzir os gastos em 12 bilhões de euros em 2013 e 2014, advertiu nesta sexta-feira o primeiro-ministro, Lucas Papademos.

Leia mais: Zona do euro define proteção de 800 bi euros, diz Áustria

"A Grécia se comprometeu, no âmbito de um novo empréstimo acordado ao país (pela eurozona e pelo FMI) a reduzir os gastos públicos em 12 bilhões de euros" nos próximos dois anos, disse o primeiro-ministro perante o Parlamento, onde respondeu a um interrogatório sobre a economia.

Papademos destacou que "estão sendo realizados estudos para definir os gastos que deverão ser cortados, e estas análises serão finalizadas antes de expirar o mandato do atual governo para que a próxima equipe possa tomar suas decisões".

"O objetivo é reduzir os desperdícios, e não reduzir ainda mais os salários", disse.

O primeiro-ministro alertou para a possibilidade de qualquer desvio do programa de saneamento da economia grega adotada pelo Parlamento no dia 12 de fevereiro, em meio a violentas manifestações.

"A recuperação depende da limitação dos gastos e da aplicação estrita do programa", disse Papademos.

O dirigente também lamentou a recessão que atinge o país desde 2008 e que ainda deverá ser mantida, elevando ainda mais a taxa de desemprego, "que se agravou para além do previsto nos últimos anos". No quarto trimestre de 2011, o desemprego chegou a 20,7%, contra 14,2% um ano antes.

"Este ano e o início do próximo não serão nada fáceis, mas será necessário manter o esforço para que os sacrifícios do povo grego não sejam em vão", disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.