Tamanho do texto

Segundo vice-presidente do governo espanhol, Estado deixará de gastar mais de um milhão de euros por ano com cortes

O Governo espanhol aprovou nesta sexta-feira um plano de reestruturação e racionalização do setor público empresarial pelo qual foram eliminadas 24 sociedades mercantis estatais e nove fundações, com o objetivo de reduzir o gasto público. A vice-presidente do Governo, Soraya Sáenz de Santamaría, explicou que as empresas públicas que fecharão são 17% do total e todas são de âmbito estatal, já que as comunidades autônomas têm a incumbência de tomar medidas similares a esse nível.

Leia também: Dívida pública espanhola bate recorde a 68,5% do PIB

Soraya disse que medida tenta "pôr a casa em ordem" e acrescentou que com ela se complementam outras medidas aprovadas anteriormente pelo Governo como a limitação das indenizações quando os diretores do setor público cessam sua atividade, a limitação de conselheiros e a retribuição de presidentes e pessoal de diretoria.

A vice-presidente calculou que apenas o desaparecimento dos 154 conselheiros das empresas eliminadas, o Estado economizará mais de um milhão de euros por ano, mas ela não deu um número da economia total. O plano do Governo também inclui retirar o investimento em oito sociedades (6% do total), agilizar o desinvestimento em outras e vender a participação do estado em outros casos, de modo que um total de 80 empresas serão afetadas.

O Governo conservador de Mariano Rajoy deve cortar este ano 32 bilhões de euros (US$ 42 bilhões) para conseguir reduzir o déficit público de 8,5% do PIB com que fechou 2011 para 5,3% marcado pela União Europeia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.