Tamanho do texto

País espera economizar R$ 17,2 milhões com a retirada dos navios da operação antipirataria da UE

A Grécia irá retirar a fragata cedida para a operação antipirataria Atalanta, liderada pela União Europeia (UE) para proteger embarcações em águas do Oceano Índico e Somália. O Ministério de Defesa grego anunciou a decisão nesta segunda-feira, motivada pela crise da dívida que atinge o país .

Confira a cobertura completa da Crise Econômica Mundial

Dentre os cortes de gastos públicos sofridos nos últimos meses, entre 400 milhões e 500 milhões de euros afetarão a área militar. Um porta-voz do Ministério disse à Agência Efe que a fragata grega Hydra voltará à Grécia no próximo 8, antecipando seu retorno em praticamente um mês, inicialmente prevista para 4 de abril.

"Também não voltará às operações planejadas para o segundo semestre, quando deveria ter operado durante dois meses", acrescentou o porta-voz. Cada mês de patrulha da fragata custa 2,5 milhões de euros. Por isso, o governo espera economizar 7,5 milhões de euros em 2012 com a retirada da embarcação.

Leia também: Crise faz pais abandonarem filhos na Grécia

Em números proporcinais ao próprio Produto Interno Bruto (PIB), a Grécia é o segundo país que mais contribui financeiramente à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), com cerca de 7,5 bilhões de euros (3,5% de seu PIB).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.