Tamanho do texto

Muitos analistas acreditam que a debilidade econômica vá se traduzir em uma nova queda do PIB no primeiro trimestre de 2012

O governo espanhol disse nesta quarta-feira que a economia do país está prestes a entrar novamente em processo de recessão, em meio à pior crise a atingir a Espanha em muitas décadas . Em um relatório recente, o Banco da Espanha disse que o Produto Interno Bruto (PIB) se contraiu no último trimestre de 2011, depois das frágeis taxas de crescimento exibidas desde que no primeiro trimestre de 2010 o país superara uma recessão extensa e profunda.

Leia também:
Moody's diz que Espanha ainda deve fazer ajuste de 25 bilhões de euros
Líderes europeus alertam para 2012 difícil

"A economia (espanhola) está às portas de uma recessão", disse o ministro da Fazenda e Administração Pública, Cristóbal Montoro, em uma sessão plenária na Câmara dos Deputados. Em linha com a previsão do Executivo, muitos analistas acreditam que a persistente debilidade econômica vá se traduzir em uma nova queda do PIB no primeiro trimestre deste ano, o que levará a Espanha a entrar tecnicamente em recessão.

A Câmara dos Deputados espanhola votará na quarta-feira um projeto de lei para a adoção de medidas econômicas e financeiras urgentes, aprovadas pelo Conselho de Ministros do novo governo do direitista Partido Popular (PP) em 30 de dezembro.

Confira a cobertura completa da Crise Econômica Mundial

Montoro garante que as medidas são necessárias porque o governo socialista anterior gastou 20 bilhões de euros a mais do que o previsto no orçamento de 2011, o que significará um déficit público neste exercício perto de 8 % do PIB . O governo anterior havia se comprometido com a União Europeia a manter um déficit de 6%.

No entanto, o governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy assumiu a meta de reduzir o déficit público este ano até 4,4%  do PIB e até 3% cento em 2013 . As medidas - que contemplam, entre outras, altas de impostos e cortes nos gastos públicos - serão aprovadas com segurança, já que o governo conta com a maioria absoluta na Câmara Baixa depois de sua vitória eleitoral de novembro passado.