Tamanho do texto

Segundo operadores do mercado de capitais da Europa, bancos não estão direcionando montante emprestado para o consumidor

A massiva injeção de dinheiro na semana passada pelo Banco Central Europeu (BCE) pode não ajudar toda a economia da zona do euro, uma vez que os bancos estão depositando o dinheiro no banco central em vez de emprestá-lo, sugeriu uma pesquisa da Reuters com operadores.

Leia também: Dilma leva a Merkel 'recado' de emergentes contra ajuda a bancos

Uma pequena maioria dos operadores, 14 de 23, afirmou que um alto nível de depósitos no BCE sugere que os financiamentos baratos de três anos podem não ajudar toda a economia, embora alguns falem que os bancos podem vir a emprestar o dinheiro, ajudando a fomentar o crescimento.

Não menos que 800 bancos pegaram emprestada uma massiva quantia de 530 bilhões de euros (700 bilhões de dólares) em dinheiro barato de três anos, parcialmente como seguro em caso de qualquer piora da crise da dívida e parcialmente porque a oferta era muito boa para deixá-la passar.

Leia também: Brasil é principal vítima de "tsunami cambial" que afeta emergentes

Mas a m aioria do dinheiro voltou para o banco central , com credores depositando mais de 820 bilhões de euros em depósitos de um dia no BCE em 2 de março, perto da quantia que eles pegaram emprestada em duas parcelas feitas em dezembro e fevereiro.

"O dinheiro não está se direcionando para a economia real. Só está sendo usado para proteger as contas dos próprios bancos e não para ofertar crédito a empresas e consumidores", disse um operador do mercado de capitais da Europa. O BCE ganha atualmente 1% de juro sobre o dinheiro que empresta aos bancos, mas paga apenas 0,25% sobre o dinheiro depositado na instituição.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.