Tamanho do texto

Recuperação continua frágil, mas Grã Bretanha deve escapar da recessão, dizem analistas

A taxa de desemprego britânica atingiu a máxima em 16 anos nos três meses até janeiro e a taxa de desemprego juvenil teve recorde de alta, aumentando a pressão sobre o governo para introduzir políticas a fim de impulsionar o crescimento e o emprego no orçamento da próxima semana.

O desemprego na medida mais ampla da Organização Internacional do Trabalho (OIT) caiu para 2,666 milhões no período entre novembro e janeiro, ante 2,671 milhões nos três meses até dezembro, mas a taxa geral se manteve em 8,4%, uma taxa que em meses anteriores ficou igual ao período entre dezembro e janeiro de 1996.

Outros números divulgados nesta quarta-feira mostraram uma desaceleração inesperada no crescimento dos salários, apertando ainda mais os orçamentos domésticos com a inflação ainda bem acima da meta do banco central, de 2%.

Economistas receberam os sinais de estabilização no mercado de trabalho como um indicador de que a Grã Bretanha deve evitar um retorno à recessão, mas alertaram que a recuperação da contração do último trimestre de 2011 continuou frágil.

Alguns analistas previram que o desemprego poderá atingir a marca de 3 milhões, levando a taxa de desemprego para mais de 9%.

"Os riscos para a economia permanecem, embora eles tenham diminuído ao longo dos últimos três meses", disse o economista da Investec Philip Shaw.

"O desemprego não deve alcançar as máximas que se temia no final do ano passado. Ao mesmo tempo, sem uma forte recuperação no crescimento é difícil ver este elevado nível de desemprego caindo significativamente em breve."

Pela medida do próprio governo, o número de pessoas que solicitaram auxílio-desemprego aumentou em 7.200, para 1,612 milhão em fevereiro, segundo dados do Escritório Nacional de Estatísticas. Esse resultado veio um pouco acima as previsões dos economistas e foi o mais alto desde novembro de 2009.

Os sindicatos atribuem ao governo parte da culpa pelo desemprego elevado e convocaram o ministro das Finanças, George Osborne, a fazer mais para ajudar os desempregados em seu orçamento de 2012/2013, a ser anunciado na próxima quarta-feira.

Osborne, contudo, deve se prender ao seu programa de austeridade, de cinco anos, que objetiva eliminar grande parte do imenso déficit orçamentário britânico.

O politicamente sensível número de jovens desempregados subiu para 1,042 milhão nos três meses até janeiro, levando a taxa de desemprego entre jovens com 16 a 24 anos para 22,5%, o maior nível desde o início dos registros, em 1992.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.