Tamanho do texto

BC do Japão espera melhora do índice com a alta do iene e gastos de infraestrutura

Grandes empresas de manufatura japonesas ficaram um pouco mais pessimistas sobre as condições de negócios entre janeiro e março, mas espera-se que o sentimento melhore no próximo trimestre com o iene voltando de recordes de alta e com os gastos para a reconstrução pós-terremoto.

Dados divulgados nesta quarta-feira sugerem que a pesquisa de sentimento do Banco do Japão do próximo mês não deve mostrar uma piora acentuada do sentimento.

Mas é provável que o banco central continue sob pressão para oferecer estímulo monetário adicional nos próximos meses, com a recuperação do Japão ainda instável diante da persistência da desaceleração econômica global.

"O sentimento dos fabricantes pode melhorar entre abril e junho, dadas as melhorias recentes na economia dos Estados Unidos e a menor pressão sobre o iene", disse o economista-chefe para o Japão da RBS Junko Nishioka.

"Mas a recuperação do Japão é muito dependente da demanda externa. O Banco do Japão provavelmente vai afrouxar a política monetária novamente para alcançar sua meta de preços."

O índice empresarial que mede o sentimento dos grandes fabricantes piorou para menos 7,3 entre janeiro e março de menos 6,1 entre outubro e dezembro, de acordo com uma pesquisa conjunta feita pelo Ministério das Finanças e por um braço do Gabinete do Governo.

Mas os grandes fabricantes esperam que o seu índice de confiança suba 2,3% entre abril e junho, ante 0,7 esperado no levantamento anterior, segundo os dados desta quarta-feira.

As empresas esperam que os gastos de capital caiam 0,3% no exercício financeiro que começa em abril, mostrou a pesquisa.

O BC japonês deixou a política monetária em espera na terça-feira depois de afrouxá-la em um movimento surpresa no mês passado, mas manifestou a sua disposição para agir, caso os riscos para a frágil recuperação do Japão aumentem e dificultem a saída do país da deflação.

O índice de sentimento mede o percentual de empresas que esperam que o ambiente de negócios melhore em relação ao trimestre anterior menos o percentual que espera que haja piora.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.