Tamanho do texto

Jovens de países com índices significativos de desemprego têm adiado plano de criar família

BBC

Desde a crise financeira iniciada em 2008, vem nascendo menos bebês na Europa, de acordo com um novo estudo. O Instituto Max Planck de Pesquisa Demográfica, na Alemanha, descobriu que a taxa de natalidade em 28 países europeus caiu com o avanço do desemprego.

Os jovens com menos de 25 anos foram particularmente afetados, assim como os que vivem em países do sul da Europa, como a Espanha.

Jovens de países com índices significativos de desemprego têm adiado plano de criar família
Thinkstock/Getty Images
Jovens de países com índices significativos de desemprego têm adiado plano de criar família

A relação entre economia e fertilidade tem sido discutida há muito tempo, mas ainda é polêmica. Os pesquisadores do Instituto Max Planck afirmam que "a extensão do desemprego nos países europeus contemporâneos, de fato, tem um efeito sobre as taxas de natalidade."

Resistência à crise

"A crise financeira atingiu a Europa em um momento em que as taxas de natalidade em muitos países começavam a subir novamente", diz a demógrafa Michaela Kreyenfeld. Ela afirma que a tendência de crescimento da natalidade desacelerou em alguns países e caiu em outros.

Na Espanha, a taxa de fecundidade - o número total de filhos por mulher - caiu quase 8% entre 2008 e 2011, enquanto o desemprego subiu de 8,3% para 11,3%. A queda na taxa também foi registrada na Hungria, Irlanda, Croácia e Letônia.

Veja também: Taxa de desemprego da Grécia atinge novo recorde em abril

Em países como a República Tcheca, Polônia e Grã-Bretanha, houve uma desaceleração no ritmo de crescimento da taxa.

Já na Alemanha e na Suíça, onde o mercado de trabalho tem resistido relativamente bem à crise, quase não houve mudanças no número de crianças nascidas.

'Limites biológicos'

Segundo o estudo, um aumento de 1% na taxa de desemprego provoca uma queda na fertilidade de cerca de 0,2% entre as idades de 15 e 19 anos, e 0,1% entre 20 e 24 anos.

Mas o aumento do desemprego não causou alterações nas taxas de natalidade para os que têm mais de 40 anos.

"Os planos de fertilidade tendem a ser mais revistos quando as pessoas são mais jovens do que quando elas se aproximam dos limites biológicos de fertilidade", diz Kreyenfeld.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.