Tamanho do texto

Presidente do Banco Central Europeu afirma que a entidade está conseguindo recuperar um controle melhor das condições monetárias na economia da zona do euro

Reuters

Presidente do BCE, Mario Draghi
ASSOCIATED PRESS/AP
Presidente do BCE, Mario Draghi

O Banco Central Europeu (BCE) está "pronto para agir" se for preciso ajudar a economia da zona do euro e sinais recentes da estabilização do mercado significam que as suas taxas de juros estão se tornando uma ferramenta mais efetiva novamente, afirmou Draghi, durante conferência de despedida para o presidente do banco central de Israel, Stanley Fischer, em Jerusalém.

Leia mais: Banco Central Europeu irá manter taxas de juros baixas para evitar nova crise

Draghi disse que há várias medidas que o BCE pode aplicar se necessário. Segundo ele, o efeito calmante do programa de compra de títulos governamentais pelo BCE sobre os mercados, assim como reformas econômicas, aliviaram situações de emergência que prejudicaram sua habilidade de influenciar custos de empréstimos para empresas e famílias.

"Nós temos conseguido recuperar um controle melhor das condições monetárias na economia da zona do euro, o que é muito importante para dar o impulso apropriado de política monetária à economia", disse o presidente em discurso.

O BCE deixou a taxa de juros na mínima recorde de 0,5% em sua reunião de junho, mas informou que discutiu uma série de opções que pode aplicar caso a economia precise de mais estímulo. Para Draghi, a economia da zona do euro ainda está em fase de ajuste. Dados recentes de pesquisas sugeriram alguma melhora, mas partindo de níveis baixos.

Veja também: Presidente do banco central europeu defende programa de compra de títulos

"No período à frente, nós vamos monitorar muito atentamente todas as informações sobre o desenvolvimento econômico e monetário e ficar prontos para agir se necessário".

O presidente afirmou que o BCE mantém a mente aberta sobre a questão das taxas de depósito negativas, mesmo que essa ação possa ter consequências involuntárias. "Outra medida que nós examinamos com a mente aberta foi considerar a possibilidade de ter uma taxa negativa de depósito", reiterou.

"Nós vamos continuar pensando sobre todas essas medidas e nós estamos prontos para adotá-las com todas as consequências involuntárias que elas possam ter."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.