Tamanho do texto

Em comunicado, líderes do grupo concordam em estimular a recuperação global dando apoio à demanda, resguardando as finanças públicas e explorando fontes de crescimento

Agência Estado

Os líderes do G8 têm como prioridade a promoção do crescimento e do emprego e esperam que os bancos centrais continuem sustentando a recuperação econômica, segundo comunicado, divulgado nesta terça-feira (18), da reunião de cúpula de dois dias realizada na Irlanda do Norte.

Primeiro ministro japonês, Shinzo Abe, e primeiro ministro inglês, David Cameron, durante reunião do G8 na Irlanda do Norte
AP
Primeiro ministro japonês, Shinzo Abe, e primeiro ministro inglês, David Cameron, durante reunião do G8 na Irlanda do Norte

No documento, as autoridades dos oito países que formam o grupo - EUA, Reino Unido, Japão, Alemanha, Canadá, França, Itália e Rússia - disseram que "concordaram em estimular a recuperação global dando apoio à demanda, resguardando as finanças públicas e explorando todas as fontes de crescimento."

Embora tenham concluído que a perspectiva de crescimento global continua fraca, os líderes disseram que os riscos de baixa diminuíram, "graças em parte a significativas ações de política adotadas nos EUA, zona do euro e Japão, e à maior resistência de grandes economias em desenvolvimento e emergentes".

Leia mais:  Líderes do G8 se reúnem para discutir estímulos a economia e ao comércio

As autoridades também citaram os "ganhos pronunciados" dos mercados financeiros, mas lamentaram que "esse otimismo ainda precise se traduzir totalmente em melhorias mais amplas na atividade econômica e emprego". "Na verdade, a perspectiva de crescimento em algumas regiões se enfraqueceu desde a cúpula de Camp David", diz o comunicado.

Sobre a zona do euro, o G8 afirma que diminuíram os risco de baixa na região ao longo do último ano, embora a recessão local continue.

Em relação ao Japão, o comunicado diz que o crescimento do país vai ser "sustentado pelos estímulos fiscais de curto prazo, pela ousada política monetária e pela estratégica recém-anunciada para promover o investimento privado". Para o G8, no entanto, o Japão tem o desafio de definir um plano fiscal confiável para o médio prazo.

Os líderes também abordaram questões de política monetária, dizendo que "alguns de nossos bancos centrais continuaram a utilizar uma política monetária altamente acomodatícia para sustentar suas economias domésticas, inclusive por meios não convencionais, como o relaxamento quantitativo".

Veja ainda:  Protesto contra reunião do G8 acaba em violência no centro de Londres

"A política monetária deve continuar sustentando a recuperação e ser direcionada para a estabilidade dos preços domésticos, segundo os respectivos mandatos dos bancos centrais", defende o comunicado. Fonte: Market News International.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.