Tamanho do texto

BCE precisa conduzir a política de maneira a garantir que a zona do euro não caia de novo em crise, afirmou o membro do Conselho Diretor do banco, Ewald Nowotny

Reuters

Banco Central Europeu irá manter taxas de juros baixas para evitar nova crise
Thinkstock/Getty Images
Banco Central Europeu irá manter taxas de juros baixas para evitar nova crise

O Banco Central Europeu (BCE) vai manter as taxas de juros baixas por quanto tempo for necessário para a economia recuperar-se de forma sólida, garantindo que a crise não retorne com força, disseram duas autoridades, nesta segunda-feira (10).

O BCE precisa conduzir a política de maneira a garantir que a zona do euro não caia de novo em crise, afirmou o membro do Conselho Diretor do banco, Ewald Nowotny.

"É mais importante aqui promover a expansão e com isso evitar cair em uma segunda grande crise", disse Nowotny a repórteres, quando questionado sobre os riscos de manter a taxa de juros baixa por um longo tempo.

O membro do Conselho Executivo do BCE, Benoit Coeure, afirmou em entrevista à imprensa conjunta: "Vamos manter nossa política monetária acomodativa por quanto tempo for necessário --o conselho diretor tem sido claro sobre isso", disse ele, destacando que é necessário monitorar as consequências.

Coeure citou o risco de que "um período prolongado de taxas de juros baixas não crie os incentivos corretos para reformas no setor financeiro, em particular para a reestruturação e limpeza dos balanços patrimoniais de bancos da zona do euro".

Ele afirmou que o BCE ainda está avaliando potenciais medidas políticas. "Em momentos excepcionalmente difíceis, temos a obrigação de avaliar todas as opções com a mente aberta", disse ele.

As duas autoridades pareceram divergir em relação à maneira como o BCE deve iniciar a supervisão dos principais bancos da zona do euro, medida que deverá começar em meados de 2014 após uma avaliação da situação dos ativos dos grandes bancos.

Nowotny, que também é presidente do banco central austríaco, disse que sua visão pessoal é de que um início escalonado possa ser aconselhável, dada a responsabilidade de supervisionar cerca de 130 bancos com ativos no valor de aproximadamente 25 trilhões de euros.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.