Tamanho do texto

Os recursos, que o país esperava desde junho, serão utilizados principalmente para recapitalizar o fragilizado setor bancário

Agência Estado

O presidente do grupo de ministros de Finanças da zona do euro (Eurogrupo), Jean-Claude Juncker, anunciou nesta quinta-feira a aprovação final para o desembolso de uma parcela de 49,1 bilhões de euros à Grécia, como parte do segundo pacote de resgate de Atenas, após reunião realizada mais cedo.

Juncker disse que os credores da Grécia estão dispostos a tomar mais medidas para ajudar o país, que caminha para seu sexto ano consecutivo de recessão. O Fundo Monetário Internacional (FMI) continuará participando do auxílio à Grécia, ao lado da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu, afirmou ele.

Leia também: Para Alemanha, recompra de bônus da Grécia foi sucesso

Segundo Juncker, o programa de ajuda grego voltou aos trilhos e a "Grécia e outros países membros da zona do euro estão dispostos a adotar medidas adicionais, se necessário, para garantir este objetivo."

O Eurogrupo e representantes do Banco Central Europeu e FMI aprovaram o desembolso de 34,3 bilhões de euros ainda este mês. Os recursos, que a Grécia vinha esperando desde junho, serão usados principalmente para recapitalizar o fragilizado setor bancário do país.

O comissário de Assuntos Econômicos e Monetários da Comissão Europeia, Olli Rehn, disse que uma das medidas extras pode ser a redução da contribuição financeira da Grécia para poder sacar recursos da UE. Rehn calcula que apenas esta medida pode significar uma economia para Atenas de 5 bilhões de euros, o que ajudará o país a reduzir sua dívida total a 124% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.