Tamanho do texto

Autoridade monetária está decepcionada com o ritmo da recuperação no emprego enquanto controversas negociações orçamentárias nos EUA elevam a incerteza sobre a economia

Reuters

Fed disse que os juros ficam quase zerados enquanto o desemprego permanecer acima de 6,5%
ASSOCIATED PRESS/AP
Fed disse que os juros ficam quase zerados enquanto o desemprego permanecer acima de 6,5%

O Federal Reserve, banco central norte-americano, ampliou suas medidas de estímulo à economia nesta quarta-feira, expressando decepção com o ritmo da recuperação no emprego enquanto controversas negociações orçamentárias nos Estados Unidos elevam a incerteza sobre as perspectivas.

A autoridade monetária substituiu um programa de estímulo mais modesto que vence no final do ano por uma nova rodada de compra de Treasuries que vai aumentar seu portfólio de ativos. O Fed se comprometeu a adquirir US$ 45 bilhões em títulos do Tesouro dos EUA, além dos US$ 40 bilhões  em ativos hipotecários que começou a comprar em setembro.

Em uma decisão surpreendente, o Fed também estabeleceu bandas numéricas como guias para sua política monetária, em uma medida que não era esperada antes do início do próximo ano.

O Fed disse ainda que deverá manter os juros oficiais quase zerados enquanto o desemprego permanecer acima de 6,5%, as projeções de inflação entre um e dois anos forem menores do que 2,5% e as expectativas de inflação no longo prazo permanecerem contidas.

A autoridade monetária norte-americana notou que o desemprego se mantém elevado e que a inflação está abaixo do objetivo de 2%.

"O comitê ainda teme que, sem afrouxamento suficiente, o crescimento econômico pode não ser forte o bastante para gerar melhora sustentável nas condições do mercado de trabalho", afirmou o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Fed em comunicado.

Autoridades também repetiram uma promessa de continuar a comprar bônus até que as perspectivas para o mercado de trabalho melhorem significativamente. Uma queda na taxa de desemprego para 7,7% em novembro, frente aos 7,9% registrados em outubro, foi gerada sobretudo por trabalhadores que deixaram a força de trabalho, e, portanto, não chegou perto de satisfazer essa condição.

Sob o programa "Operação Twist", que expira no final deste mês, o Fed estava comprando 45 bilhões de dólares em Treasuries com prazo mais longo com os recursos captados na venda de dívida com prazos mais curtos.

A nova rodada de compra de ativos pelo governo anunciada nesta quarta-feira será financiada essencialmente por meio da criação de mais dinheiro, expandindo o portfólio de 2,8 trilhões de dólares do Fed.

O chairman da instituição monetária, Ben Bernanke, discutirá a mais recente decisão da autoridade monetária em coletiva de imprensa às 17h15 (horário de Brasília).

MIRANDO A RECUPERAÇÃO

O Fed praticamente zerou as taxas de juro em dezembro de 2008 e comprou cerca de 2,4 trilhões de dólares em bônus em esforços para reduzir os custos de financiamento e desencadear uma recuperação mais forte da economia dos EUA.

Apesar dessas tentativas agressivas e não convencionais, o crescimento econômico norte-americano segue morno. O Produto Interno Bruto (PIB) avançou a uma taxa anualizada de 2,7% no terceiro trimestre, mas parece agora estar desacelerando de forma acentuada.

Segundo levantamento da Reuters divulgado nesta quarta-feira, economistas esperam que a economia registre expansão de apenas 1,2% no último trimestre do ano.

O setor corporativo adotou uma postura defensiva, temendo um arrocho na política fiscal à medida que políticos em Washington debatem possíveis soluções para evitar uma combinação de 600 bilhões de dólares em aumentos de impostos e cortes de gastos que passam a valer automaticamente no início de 2013.

Bernanke alertou que essa combinação, conhecida como abismo fiscal, levaria a economia a uma nova recessão.

Membros do Fed vão divulgar uma nova série trimestral de projeções econômicas e de juros às 17h (horário de Brasília) desta quarta-feira, podendo indicar mais uma rodada de revisões para baixo nas perspectivas de crescimento.

Em setembro, o Fed estimou que a economia norte-americana cresceria de 2,5% a 3% em 2013, mas mesmo esse ritmo modesto começa a parecer otimista. Pesquisa da Reuters mostrou uma estimativa de crescimento de 2,1% no ano que vem.

Por Pedro da Costa e Alister Bull


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.