Tamanho do texto

Alguns parlamentares "furiosos" do Partido Trabalhista estão exigindo que o governo descarte os planos de corte de pagamentos, de acordo com o jornal Sunday Independent

Agência Estado

A coalizão de governo de dois partidos da Irlanda enfrenta dissensões entre alguns de seus próprios parlamentares em meio à tensão sobre o Orçamento austero que detalhou na semana passada, segundo informações de jornais locais. A edição irlandesa do Sunday Times relata "uma enxurrada de atividades" entre vários parlamentares do Fine Gael, o maior partido da coalizão e liderado pelo primeiro-ministro Enda Kenny, com o objetivo de reverter os controversos planos para cortar alguns pagamentos que o governo concede a trabalhadores que fazem atendimentos a domicílio.

Veja também:  Mais de 10 mil protestam nas ruas da Irlanda contra orçamento

Alguns parlamentares "furiosos" do Partido Trabalhista, parceiro menor da coalizão e liderado pelo vice-primeiro-ministro Eamon Gilmore, estão exigindo que o governo descarte os planos de corte de pagamentos, de acordo com reportagem do Sunday Independent.

O Sunday Business Post, por sua vez, afirmou que Gilmore retirou os ministros trabalhistas de uma reunião do gabinete apenas dias antes da aprovação do Orçamento, na quarta-feira, para protestar contra as propostas do Fine Gael de implementar cortes ainda mais profundos nos pagamentos para bem estar infantil. Apesar de os planos terem sido abandonados, a tensão foi a mais séria que o atual governo viveu desde que assumiu o poder, em março do ano passado.

Veja também:  Força do euro não vai atrapalhar exportações da região, diz BCE

No geral, o governo detalhou na semana passada 3,5 bilhões de euros (US$ 4,52 bilhões) em cortes de gastos e aumentos de impostos no Orçamento de 2013, como é exigido pelos termos do acordo que a Irlanda fechou com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) dois anos atrás. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.