Tamanho do texto

Presidente critica propostas que reduziriam deduções para arrecadar de US$ 800 bilhões a US$ 1 trilhão de receita

Reuters

Barack Obama durante reunião com comitê para discutir o ajuste fiscal
AP
Barack Obama durante reunião com comitê para discutir o ajuste fiscal

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, alertou na terça-feira que as propostas tributárias republicanas poderiam provocar um colapso de hospitais e universidades que se beneficiam de deduções filantrópicas.

"Houve muitas conversas que, de alguma forma, nós podemos arrecadar 800 bilhões ou 1 trilhão de receita apenas fechando lacunas e deduções", disse Obama em entrevista à TV Bloomberg. "O único jeito de fazer isso seria se você eliminasse completamente, por exemplo, as deduções filantrópicas."

Autoridades do alto escalão da administração Obama encontraram-se com representantes das maiores instituições beneficentes do país na Casa Branca, na terça-feira, para falar sobre o caso, informou um funcionário da Casa Branca.

O presidente e congressistas republicanos estão em confronto sobre como evitar o chamado "abismo fiscal", um aumento de impostos e corte nos gastos que pode lançar a economia de volta para a recessão. Ambos os lados estão em um impasse sobre a insistência de Obama de acabar com os cortes de impostos promulgados no mandato do ex-presidente George W. Bush para os 2 por cento dos norte-americanos mais ricos.

Os republicanos são contra qualquer aumento de impostos, porém afirmam que estão dispostos a concordar com uma receita adicional de 800 bilhões de dólares para ajudar a aliviar o enorme déficit orçamentário, que ambos os lados querem controlar.

Entretanto, as propostas do presidente da Câmara dos Deputados, John Boehner, diminuiriam os impostos, e não os aumentaria, e se apoiariam por sua vez em fechar as lacunas e eliminar as deduções tributárias.

Obama disse na terça-feira que acredita que não mais de 300 a 400 bilhões de dólares em receita adicional poderiam ser levantados por meio da proposta republicana.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.