Tamanho do texto

A fim de gerar as economias, países do bloco devem implementar cortes em todas as áreas, incluindo agricultura, investimento em infraestrutura e pesquisa

Reuters

Os governos da União Europeia (UE) irão debater um corte de pelo menos 50 bilhões de euros esta semana, como o início das negociações sobre o orçamento proposto de longo prazo para o bloco, de 1 trilhão de euros, afirmou uma fonte familiar com o assunto.

O corte será proposto no último texto de negociação sobre o plano de gastos do bloco para 2014-2020, mas não deve ser profundo o suficiente para satisfazer a Grã-Bretanha, Alemanha, França e outros que fazem contribuições líquidas ao orçamento.

Eles querem limites rigorosos sobre os gastos da UE para refletir a austeridade feita por governos nacionais para reduzir suas dívidas, e pediram por cortes entre 100 e 200 bilhões de euros ao total proposto pelo braço executivo da UE, a Comissão Europeia.

A proposta também deve irritar a Polônia e outros ex-países comunistas da UE, que são os principais beneficiários dos fundos do bloco e se opõem a qualquer corte na proposta da Comissão.

"Como eu vejo agora, a redução da proposta da Comissão será de mais 50 bilhões de euros. Isso será a base das negociações", disse a fonte, que falou em condição de anonimato.

O novo texto de negociação da UE será o primeiro a incluir números firmes, e marca o início da fase decisiva das conversas entre os governos, que esperam chegar a um acordo na cúpula de líderes da UE de 22 e 23 de novembro.

O texto será usado como base para negociações bilaterais antes da cúpula entre governos e o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, que presidirá as negociações de novembro.

A fim de gerar as economias propostas, o documento revisado irá especificar cortes em todas as áreas de gastos da UE, incluindo agricultura, investimento em infraestrutura e pesquisa.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.