Tamanho do texto

Antonis Samaras espera ainda que Europa e FMI cheguem a acordo em relação às suas diferenças sobre como a será garantida a sustentabilidade da dívida grega

Reuters

A Grécia espera chegar a um acordo sobre o novo pacote de medidas de austeridade com seus credores e que a União Europeia (UE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI) superem suas diferenças em relação a como reduzir a divida do país, até a reunião dos líderes da UE nos próximos dias 18 e 19, disse o primeiro-ministro grego, Antonis Samaras.

A Grécia está em conversações com a UE, o Banco Central Europeu (BCE) e o FMI para chegar a um acordo sobre uma nova série de medidas para reduzir a sua dívida e quanto a reformas, em troca da próxima parcela de empréstimo que pode ajudar a salvar a nação endividada.

MaisAcordo final sobre ajuda sairá no fim do mês, diz Grécia

As conversações se arrastaram mais do que o esperado e Atenas diz que vai ficar sem dinheiro até o final de novembro, caso a parcela de 31,5 bilhões de euros não seja liberada. "Até lá, duas coisas terão acontecido", disse o premiê durante uma entrevista para a edição de domingo do jornal grego Kathimerini.

"Primeiro concluiremos um acordo pleno sobre as ações fiscais e estruturais anteriores ao desembolso; e segundo, a Europa e o FMI terão de chegar a um acordo em relação às suas diferenças sobre como a será garantida a sustentabilidade da dívida", completou.

TambémImpasse sobre como lidar com dívida grega continua

O novo pacote de austeridade que está sendo negociado inclui um plano de aumentar a aposentadoria de 65 para 67 anos, e fazer com que demitir funcionários seja mais rápido e barato.

Em um relatório essa semana, o FMI disse que espera que a dívida da Grécia chegue a 182% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano que vem, e que caia para 153% até 2017.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.