Tamanho do texto

Segundo Pedro Passos Coelho, as empresas e famílias portuguesas estão tendo problemas para se financiar por causa da noção de risco do governo

Agência Estado

Os países da zona do euro podem continuar enfrentando sérios problemas econômicos a menos que a Europa adote a união bancária logo, disse nesta sexta-feira o primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho.

MaisUnião Europeia divulga relatório provisório com ideias de reformas

"Precisamos romper o elo entre bancos e Estados, de forma que os bancos e as empresas possam ser julgados com base em seus próprios méritos e não com base em localização geográfica", disse Passos Coelho, durante debate mensal no Parlamento. Segundo o premiê, as empresas e famílias de Portugal estão tendo problemas para se financiar por causa da noção de risco do governo.

TambémDéficit comercial de Portugal cai 13% em agosto

A questão, disse ele, "só será permanentemente solucionada por meio de uma união financeira." O primeiro passo da união bancária será a criação de um órgão supervisor até 1º de janeiro de 2013, mas vários observadores dizem que o prazo é otimista diante dos muitos detalhes que ainda precisam ser resolvidos. As informações são da Dow Jones.