Tamanho do texto

Taxa mais que dobrou desde a explosão da crise da dívida em 2010; desemprego afeta 54,2% dos jovens entre 15 e 24 anos sem estudos e 31,4% na faixa de 25 a 34 anos

AFP

O desemprego segue em alta na Grécia e, no mês de julho, atingiu a marca de 25,1%, contra 17,8% em julho de 2011 e 24,8% em junho deste ano, anunciou a Autoridade de Estatísticas Gregas (ASE)."O número de pessoas em busca de emprego chegou a 1,261 milhão, contra 3,7 milhões com trabalho", afirma um comunicado da ASE.

A taxa de desempregou mais que dobrou desde a explosão da crise da dívida em 2010. O desemprego afeta 54,2% dos jovens entre 15 e 24 anos sem estudos e 31,4% na faixa de 25 a 34 anos.

A Grécia, país da Eurozona que enfrenta uma recessão há cinco anos, aplica duras medidas de austeridade exigidas pelos credores internacionais - Banco Central Europeu, União Europeia e FMI - para ajustar as contas.

Mas para muitos analistas, como o Nobel de Economia Paul Krugman, os ajustes apenas agravam a recessão.

A diretora geral do FMI, Christine Lagarde, admitiu nesta quinta-feira em Tóquio que é necessário conceder à Grécia um prazo adicional de dois anos, até 2016, para que o país possa implementar as exigências dos credores. "Às vezes, é melhor, dadas as circunstâncias...ter um pouco mais de tempo", comentou Lagarde, referindo-se à Grécia. "Foi o que defendemos para Portugal, foi o que defendemos para a Espanha e é o que estamos defendendo para a Grécia."

Lagarde disse também que o FMI pode se envolver em novos programas de ajuda sem contribuir financeiramente.

O governo de coalizão do primeiro-ministro conservador Antonis Samaras negocia com os credores novas medidas de austeridade, com cortes e economias por 13,5 bilhões de euros, para poder receber a próxima parcela, de 31,5 bilhões de euros, do programa de resgate acordado com o país.

(com AE)

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.