Tamanho do texto

A Espanha substituiu Grécia, Portugal e Irlanda como epicentro da crise da dívida da zona do euro depois de ter ficado aquém das metas orçamentárias em 2011

Reuters

A Espanha não cumprirá suas metas de déficit em 2012 e 2013 e sua dívida saltará para mais de 90% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano que vem, uma vez que o país recapitaliza seu setor bancário, afirmou nesta terça-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI).

O FMI afirmou em seu relatório monitor fiscal que o déficit do país alcançará 7% do PIB em 2012 e 5,7% em 2013, ante metas da União Europeia de 6,3% do PIB este ano e de 4,5% para o próximo.

A Espanha substituiu Grécia, Portugal e Irlanda como epicentro da crise da dívida da zona do euro depois de ter ficado aquém das metas orçamentárias por uma ampla margem em 2011.

O governo prometeu controlar as finanças públicas, mas regiões com excesso de gastos e a recapitalização de um setor bancário afetado pela inadimplência devido a uma bolha imobiliária estão dificultando a tarefa.

Madri afirmou na semana passada que o déficit público alcançará 7,4% em 2012, mas que isso incluiria elementos extraordinários da recapitalização de bancos com a qual a Comissão Europeia concordou em não levar em consideração quando avaliar os esforços da Espanha.

A Comissão publicará estimativas econômicas atualizadas em 7 de novembro.

O governo baseou seu plano orçamentário para o próximo ano em uma recessão de 0,5%, enquanto o FMI estima uma recessão de 1,3% no país em 2013.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.