Tamanho do texto

Fundo com 500 bilhões de euros será usado para dar empréstimos a países em dificuldade da zona do euro em troca de reformas fiscais e estruturais rigorosas

Reuters

Os ministros das Finanças da zona do euro irão lançar o fundo de resgate permanente da zona do euro de 500 bilhões de euros nesta segunda-feira, implementando uma importante defesa contra a crise da dívida que agora ameaça a Espanha.

O fundo, chamado Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (ESM, na sigla em inglês), será usado para dar empréstimos a países em dificuldade da zona do euro em troca de reformas fiscais e estruturais rigorosas que visam a colocar economias que perderam a confiança do investidor de volta nos trilhos.

Isso é parte das ações do bloco monetário para uma revisão de suas estruturas econômicas e para uma integração mais profunda, discussão que será levada adiante nesta segunda-feira em negociações sobre a ideia de criar um orçamento único para a zona do euro.

Os ministros das Finanças da zona do euro, que formam a diretoria do ESM, participarão da reunião inaugural em Luxemburgo dois anos depois que os líderes da União Europeia (UE) endossaram a ideia de estabelecer tal instituição permanente.

"O ESM estará operacional a partir de segunda-feira", afirmou uma autoridade da zona do euro ligada ao ESM.

A capacidade de empréstimo do fundo atingirá sua totalidade gradualmente até 2014.

Sua primeira tarefa será emprestar à Espanha para a recapitalização de seu sistema bancário, afetado por um colapso do mercado imobiliário --um programa herdado do temporário Fundo Europeu de Estabilização Financeira (EFSF, na sigla em inglês).

Madri deve pedir aproximadamente 40 bilhões de euros para recapitalizar seus bancos após avaliações independentes das necessidades do setor --dentro dos 100 bilhões de euros definidos pelos ministros da zona do euro em julho para esse propósito.

O dinheiro do ESM irá para a Espanha em novembro, após autoridades de concorrência da Comissão Europeia aprovarem as condições para a recapitalização de cada banco.