Tamanho do texto

governo grego já admitiu que o país está fora dos trilhos para cumprir os termos de seu resgate, e autoridades da UE especulam que o país pode precisar de uma segunda reestruturação de dívida

Reuters

A Grécia pode buscar uma rolagem de seus títulos detidos pelo Banco Central Europeu (BCE) ou tentar levantar dívida adicional de curto prazo para lidar com um possível déficit de financiamento nos próximos anos, afirmou um vice-ministro de Finanças em um documento divulgado nesta terça-feira.

O governo grego já admitiu que o país está fora dos trilhos para cumprir os termos de seu resgate, e autoridades da UE especulam que o país pode precisar de uma segunda reestruturação de dívida.

Se o déficit orçamentário da Grécia ou as receitas de privatização ficarem aquém das metas determinadas em seu segundo resgate, o país pode enfrentar problemas de financiamento, afirmou o vice-ministro de Finanças Christos Staikouras em uma resposta por escrito a uma autoridade datada de 19 de setembro. Ele não especificou o tamanho desse déficit.

Uma solução para cobrir o déficit seria ampliar os vencimentos da dívida grega detida pelo Banco Central Europeu (BCE), disse Staikouras.

"Com a visão de cobrir o déficit de financiamento, e dado que o eurosistema detém 28 bilhões de euros de bônus gregos com vencimento em 2013-2016, a possibilidade de uma rolagem sobre os vencimento será examinada", disse Staikouras.

Até agora o BCE recusou-se a enfrentar qualquer perda em relação aos títulos que comprou nos últimos anos para sustentar a dívida grega.

Qualquer possível extensão dos bônus detidos pelo BCE será feita "dentro da estrutura e restrições legais do Tratado de Lisboa da UE", disse Staikouras.

Ele também afirmou que a Grécia pode ter que levantar mais dinheiro dos mercados de dívida em 2015 e 2016 do que os 10,6 bilhões de euros previstos em seu acordo de resgate neste ano.

Em seu quinto ano de recessão, a Grécia está em negociação com seus credores para mais medidas de austeridade para reduzir seu déficit.