Tamanho do texto

Preocupações com a economia se espalham pelo mercado do glamour e analistas preveem preços de bens luxuosos vão cair

Reuters

Modelo apresenta criação do designer de luxo Ermanno Scervino num ateliê próximo a Florença, na Itália
REUTERS/Giampiero Sposito
Modelo apresenta criação do designer de luxo Ermanno Scervino num ateliê próximo a Florença, na Itália

Investidores de países emergentes estão à caça das marcas de luxo na Europa, mais baratas agora que a turbulência econômica pressiona os preços para baixo, disse à Reuters o varejista kuwaitiano de artigos de luxo Sheikh Majed Al-Sabah.

Marcas francesas de luxo preveem 20 anos de sucesso

Enquanto as preocupações com a economia se espalham pelo resistente mercado do glamour, analistas preveem que os preços de bens luxuosos vão cair. "Toda a Europa está à venda. A Europa é uma pechincha", disse Al-Sabah, membro do conselho da destacada incorporadora imobiliária kuwaitiana Tamdeen Group, em pronunciamento na terça-feira, antes do início da semana de moda de Milão.

A venda em julho da casa Valentino, da empresa de private equity Premira, para a família real do Catar foi avaliada em 700 milhões de euros (US$ 909 milhões de dólares), ou 2,2 vezes as vendas históricas, ficando assim em média com o setor de artigos luxuosos.

Em 2001, a LVMH comprou a participação da Prada na Fendi por 1,2 bilhão de euros, ou quatro vezes as vendas históricas. "Esses tempos acabaram", disse Al-Sabah, acrescentando que os investidores estão de olho em oportunidades no mercado imobiliário, tais como os resorts luxuosos.

À medida que os consumidores se tornam mais afluentes, passam a comprar experiências em vez de acumular mercadorias, avalia em relatório a Ledbury Research, especialista no mercado internacional do luxo.

Vivenciar o luxo responde por mais da metade dos gastos com bens de alto custo na maioria dos países, incluindo as nações emergentes, de acordo com o Boston Consulting Group. Pessoas com mais de US$ 1 milhão deixam a cada ano 37% de sua riqueza em propriedades, 18% em dinheiro e somente 17% em ações, diz a Ledbury.

Reportagem de Antonella Ciancio