Tamanho do texto

Crise da dívida da Europa tem se arrastado por mais de três anos, e investidores têm grandes expectativas de que a economia da zona do euro caia em recessão em 2012

Reuters

A crise da dívida da zona do euro ainda tem um longo caminho pela frente antes de terminar e a Europa precisa manter a fé no bloco monetário, afirmou nesta terça-feira o vice-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Zhu Min.

"No geral, eu diria que a crise não acabou. Nós ainda estamos no meio dela e há um certo caminho para percorrer", disse Zhu no evento Fórum Econômico Mundial na cidade portuária chinesa de Tianjin.

"Mas ela (crise) está caminhando para a direção certa - sso é muito importante. Nós devemos ter confiança, e nós devemos ter confiança no euro", acrescentou ele.

A crise da dívida da Europa tem se arrastado por mais de três anos, e investidores têm grandes expectativas de que a economia da zona do euro caia em recessão em 2012 como resultado de um fracasso em resolver a crise e promover a recuperação.

Uma segunda recessão europeia em três anos seria uma notícia ruim para a economia global, disse Zhu.

"Nós não devemos subestimar o impacto negativo da crise europeia para o mundo. Isso é muito importante", disse ele em audiência com líderes empresariais internacionais reunidos para o encontro anual na China.

"O lado do crescimento (da crise europeia) tem um impacto profundo na economia global", disse Zhu, acrescentando que os modelos do FMI preveem um corte de 1,5% a 2% da atividade econômica nos Estados Unidos e no Japão e 1% da atividade na China se houver mais deterioração na Europa.