Tamanho do texto

Manifestações acontecem no fim de semana em que FMI, BCE e União Europeia chegam ao país para negociar cortes mais dolorosos, no país que encolheu 6,5% no dado anualizado

Agência Estado

Milhares de manifestantes marcharam neste sábado nas ruas da cidade grega de Thessaloniki, no norte do país, marcando o primeiro protesto em massa contra as próximas medidas de austeridade do governo. De acordo com a polícia, mais de 15 mil pessoas participaram de cinco marchas diferentes convocadas por sindicatos e organizações de esquerda, enquanto mais de 3 mil policiais foram mobilizados em todo o centro da cidade para manter a ordem e fazer cumprir a lei.

Milhares de manifestantes se reuniram no Norte da Grécia neste sábado para protestar contra as medidas restritivas do governo
AFP PHOTO
Milhares de manifestantes se reuniram no Norte da Grécia neste sábado para protestar contra as medidas restritivas do governo

Com a forte presença policial, os protestos foram pacíficos, com os manifestantes gritando slogans contra os cortes e carregando faixas que traziam escrito: "Pare com as políticas neoliberais."

As marchas são o primeiro teste real do sentimento popular desde que o governo de coalizão formado por três partidos assumiu o poder depois das difíceis eleições de junho. As manifestações também surgem num momento em que representantes da troica - um grupo formado por União Europeia (UE), Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Central Europeu (BCE) - chegam a Atenas para negociar mais cortes dolorosos.

Leia:  Entenda a crise na Grécia e suas implicações

A troica se reúne neste fim de semana na capital grega para avaliar o progresso das reformas feitas pela Grécia e determinar se o país se qualifica para receber a próxima parcela de ajuda multibilionária. As negociações ocorrem após a pausa de verão e devem durar até o fim de setembro.

No topo da agenda, estarão os cortes orçamentários de 13,5 bilhões de euros (US$ 17,1 bilhões) que a troica exige que o governo grego faça em troca da última fatia de socorro no valor de 173 bilhões de euros. Tais reduções de gastos elevaram a taxa de desemprego na Grécia para um recorde de 24,4% em junho e reduziram o poder de compra dos assalariados para patamares que não eram vistos desde 2003.

Dados divulgados na sexta-feira mostraram que a economia grega no segundo trimestre do ano encolheu em um ritmo mais rápido que o esperado. O Produto Interno Bruto (PIB) do país teve contração de 6,3% na comparação anual. O dado foi pior que a queda de 6,2% apurada na estimativa de agosto. No primeiro trimestre, o PIB grego retraiu 6,5%.

Na manhã deste sábado, o primeiro-ministro da Grécia, Antonis Samaras, inaugurou a feira anual de comércio internacional na cidade de Thessaloniki, prometendo que não haverá mais medidas de austeridade no futuro. "Esses são os últimos cortes", disse o premiê grego. As informações são da Dow Jones.