Tamanho do texto

Premiê português anunciou aumento de 11% para 18% na contribuição dos trabalhadores à Previdência Social, e uma queda, de 23,75% para 18%, com a qual taxa as empresas

EFE

O primeiro-ministro português, o conservador Pedro Passos Coelho, anunciou nesta sexta-feira novas medidas de austeridade que vão significar o aumento de impostos para os trabalhadores e uma queda das taxas suportadas pelas empresas.

VejaRecessão em Portugal se agrava com contração de 3,3% do PIB

Coelho disse que as decisões aprovadas na quinta-feira pelo Banco Central Europeu (BCE) não bastam para garantir o saneamento da economia portuguesa e anunciou, entre outras medidas, um aumento de 11% para 18% na contribuição dos trabalhadores à Previdência Social, e uma queda, de 23,75% para 18%, com a qual taxa as empresas.

TambémPortugal está focado em plano de resgate, diz premiê

Em um pronunciamento ao país, o dirigente conservador também explicou um novo sistema do corte aplicado aos pagamentos extras do setor público, que beneficiará os funcionários mas não os aposentados, para cumprir a sentença do Tribunal Constitucional, que rejeitou essas medidas por serem discriminatórias.