Tamanho do texto

Primeiro-ministro italiano, Mario Monti, prometeu pressionar por uma ação conjunta dos países da União Europeia para ajudar a aliviar a pressão sobre os títulos emitidos pelo país

Reuters

Os custos de empréstimos de seis meses da Itália subiram para 2,957% em um leilão na quarta-feira, nível mais alto desde dezembro, ampliando a pressão sobre o governo conforme ele busca, em uma cúpula da União Europeia nesta semana, medidas concretas para aliviar as tensões no mercado.

Rajoy alerta UE que Espanha não poderá se financiar durante muito tempo

Há um mês a Itália pagou 2,1% para vender papéis de seis meses. A venda de 9 bilhões de euros em títulos nesta quarta-feira aconteceu antes de uma oferta de papéis de cinco e dez anos na quinta-feira, para até 5,5 bilhões de euros.

A relação oferta e demanda foi de 1,6 vez, em linha com o que foi visto há um mês.

Na terça-feira, a Espanha pagou 3,24% para vender títulos de seis meses. A Itália viu seus custos de empréstimos de dois anos subirem para 4,71%.

O primeiro-ministro italiano, Mario Monti, prometeu na terça-feira pressionar por uma ação conjunta dos países da UE para ajudar a aliviar a pressão sobre os títulos italianos, arriscando um desentendimento com a Alemanha, que se recusa a dividir o peso da dívida de outros países.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.