Tamanho do texto

Após o leilão, o prêmio de risco espanhol caiu pela primeira vez desde a segunda-feira da semana passada

EFE

O Tesouro Público espanhol negociou nesta quinta-feira 2,219 bilhões de euros em bônus a dois, três e cinco anos. No entanto, precisou subir os juros a 6,1% no caso dos títulos a cinco anos, o maior nível desde 1996. Dos 2,219 bilhões de euros emitidos, 699,5 milhões de euros foram a bônus com vencimento em 2014, com juros a 4,79%. Para 2015, foram negociados 917,6 milhões a juros de 5,51%.

LeiaEspanha paga juro recorde de papéis da dívida, mas alta demanda reduz tensões

Por último, o Tesouro colocou 602,2 milhões de euros em bônus a cinco anos, nos quais os juros subiram para 6,1 %. Depois do leilão, o prêmio de risco espanhol - que mede o diferencial entre a rentabilidade do bônus alemão e o espanhol - teve uma queda dos 500 pontos básicos até 498, pela primeira vez desde a segunda-feira da semana passada.

O leilão de hoje, no qual foi superado o objetivo inicial de negociar entre 1 e 2 bilhões de euros, foi o segundo realizado pelo Tesouro nesta semana. O último ocorreu em um momento de tensão máxima no mercado de dívida da zona do euro, no qual o prêmio de risco da Espanha chegou a subir até 588 pontos básicos. Além disso, os dois leilões foram realizados poucos dias depois de a União Europeia confirmar que concederia uma linha de crédito de até 100 bilhões de euros para sanear o setor financeiro espanhol.

MaisEspanha e Itália continuam sob pressão mesmo após eleição grega

Nesta quinta, o Governo divulgará as necessidades de capital dos bancos espanhóis, segundo a avaliação das consultoras Roland Berger e Oliver Wyman. Com isso, a Espanha deve formalizar seu pedido de ajuda, na mesma linha dos debates da reunião do Eurogrupo realizada em Luxemburgo. Na semana que vem, o mercado espanhol volta a enfrentar os mercados em um leilão a três e seis meses. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.