Tamanho do texto

Mais de 200 mil pessoas convocadas por sindicatos de base na Itália fazem passeata por mais empregos e desenvolvimento econômico na Itália

Roma - Milhares de pessoas foram neste sábado às ruas de Roma para reivindicar mudanças na política econômica do governo tecnocrata da Itália, liderado pelo primeiro-ministro Mario Monti . A passeata, convocada pelos sindicatos de base CGIL, CISL e UIL, contou com a participação de aproximadamente 200 mil pessoas, segundo números divulgados pelos organizadores à imprensa local.

Os manifestantes percorreram as ruas do centro de Roma sob o slogan "O valor do trabalho" e terminaram o protesto na Piazza del Popolo, onde os líderes sindicais se discursaram aos presentes e pediram uma mudança na agenda do governo. Assim, o dirigente da UIL, Luigi Angeletti, defendeu a necessidade de mudanças e de fomentar o crescimento, algo que, segundo ele, "não se obtém com o aumento dos impostos e a redução dos salários".

A secretária-geral da CGIL, Susanna Camusso, ressaltou que a mudança é necessária porque as políticas atuais provocaram "uma forte recessão". "A política de rigor produziu desigualdade e não deu respostas sobre desenvolvimento", declarou Susanna. "Temos a sensação de que a Europa está se transformando na desculpa para não dar respostas ao trabalho. É possível fazer outra política e não precisamos da permissão da Europa para isso".

Desde sua chegada ao governo em novembro passado, num momento delicado política e economicamente para a Itália, Monti impulsionou, entre outras medidas, um plano de ajuste fiscal no valor de 30 bilhões de euros e aprovou reformas em favor da liberalização dentro de diversos setores da economia italiana e para simplificar a burocracia do país.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.