Tamanho do texto

Os problemas no setor financeiro e a retração em diversos setores devem fazer com que o crescimento econômico da zona do euro em 2012 seja revisado para baixo

O Banco Central Europeu (BCE) manteve a taxa de juros em 1% nesta quarta-feira, frustrando algumas expectativas do mercado de que a autoridade poderia se mover rapidamente para combater os temores sobre a saúde da zona do euro.

Os mercados estavam incertos sobre como o BCE irá reagir à recente onda de dados econômicos fracos, sabendo que o banco central também quer manter a pressão sobre os líderes da zona do euro para enfrentar a crise mais efetivamente.

Moody's rebaixa qualificação de 8 bancos alemães e 3 austríacos

Exportações salvam zona do euro da recessão no 1º trimestre

Corrupção contribuiu para crise em zona do euro, diz Transparência Internacional

"Eu posso imaginar que o mercado está um pouco decepcionado que eles não cortaram as taxas", disse o economista do Rabobank Elwin de Groot.

O foco se voltará agora para o coletiva de imprensa do presidente do BCE, Mario Draghi, quando detalhará a decisão, dando a última avaliação sobre os problemas da zona do euro e divulgando qualquer apoio adicional que planeja colocar em prática.

É amplamente esperado o anúncio de uma extensão prolongada de um acesso ilimitado dos bancos aos empréstimos do BCE, enquanto especialistas buscam por dicas de outras injeção de financiamento de três anos e mais afrouxamento das regras de empréstimo para garantir que bancos em dificuldade consigam dinheiro da autoridade.

Draghi dará ainda as últimas projeções econômicas do BCE. Os recentes problemas devem fazer com que o crescimento econômico de 2012 seja revisado para baixo. Em março, o crescimento era visto entre -0,5% e +0,3% e a previsão de inflação estava entre 2,1% e 2,7%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.