Tamanho do texto

Efeitos da saída da Grécia da zona do euro a curto prazo seriam brutais, tanto internamente quanto na economia global

Se e quando os estrategistas políticos finalmente decidirem que a Grécia deverá deixar o euro, a saída pode ser tão rápida que as "novas cédulas da dracma" poderiam não ser impressas a tempo.

A princípio, algumas das consequências a longo prazo de Atenas deixar o bloco monetário não deixam de ser atraentes. A zona do euro não teria mais que se preocupar com o que sempre foi seu elo mais fraco. Embora uma nova moeda grega certamente iria ter seu valor derrubado assim que fosse emitida, ao fazê-lo tornaria a economia grega muito mais competitiva.

UE já tem plano de emergência se Grécia deixar euro

Merkel sugere à Grécia referendo sobre permanência na zona do euro

Mas os efeitos a curto prazo seriam brutais, tanto internamente quanto na economia global. Uma Grécia pós-euro poderia se encontrar lutando para importar alimentos e combustível, com a vida cotidiana reduzida à troca de bens e serviços e o governo incapaz de pagar aos trabalhadores em qualquer coisa que eles gostariam de receber.

Dracma: antiga moeda grega teria seu valor ajustado pra baixo assim que fosse emitida
Reuters
Dracma: antiga moeda grega teria seu valor ajustado pra baixo assim que fosse emitida

"Seria o caos", diz Marios Efthymiopoulos, acadêmico visitante do Centro Avançado para Estudos Internacionais da Universidade John Hopkins e presidente da Global Strategy, entidade sediada em Thessaloniki.

Gregos querem permanecer no euro, mas só se UE relaxar austeridade

G8 defende permanência da Grécia na zona do euro

"Os bancos entrariam em colapso e seria preciso nacionalizá-los. Você não seria capaz de pagar ninguém, a não ser em cupons. Há apenas uma impressora (de moeda) na Grécia. Está no museu de Atenas e não funciona mais".

O custo de administrar o que está sendo chamado de "grexit" - com sua saída resultando em turbulência no mercado global e presão financeira colossal sobre a Espanha e a Itália - poderia diminuir a despesa de manter a Grécia em um sistema de suporte financeiro.

Mas com os Estados do norte da Europa - e seus eleitorados - ficando cansados de resgates financeiros, a probabilidade está claramente aumentando.