Tamanho do texto

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Túlio Maciel, avaliou hoje que o crédito em julho manteve a linha de expansão moderada verificada no primeiro semestre, com alta de 1,1% no mês

selo

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Túlio Maciel, avaliou hoje que o crédito em julho manteve a linha de expansão moderada verificada no primeiro semestre, com alta de 1,1% no mês. Ele destacou que os financiamentos com recursos livres mostraram um comportamento nitidamente mais moderado (alta de 0,7%), refletindo as condições mais restritivas provocadas pelas medidas macroprudenciais e pela aumento da taxa básica de juros (Selic), além do fato de sazonalmente julho ser um mês menos dinâmico para as concessões.

Maciel disse ainda que, enquanto o crédito livre mostrou mais moderação, os financiamentos com recursos direcionados apontaram mais dinamismo, com expansão de 1,9%. O segmento habitacional foi o principal motor desse avanço, com alta de 3,4% no mês.

Novos empréstimos

A média diária de concessões de novos empréstimos segue em expansão em agosto, mas com comportamento distinto entre os segmentos. Dados divulgados por Maciel mostram que a média diária de novos empréstimos nos nove primeiros dias úteis de agosto, em comparação a igual período de julho, mostram expansão de 1,9%.

O avanço, no entanto, acontece apenas nas operações para pessoas jurídicas, setor cuja média diária de novos empréstimos teve crescimento de 6% na comparação com igual período de julho. Para as pessoas físicas, o ritmo de concessão segue em trajetória de queda, com redução de 3,4%.

Segundo Maciel, a observação dos últimos três anos mostra "alguma sazonalidade de alta" na concessão de empréstimos para empresas em agosto. O chefe do Departamento Econômico do BC também informou que o estoque total de operações no crédito livre apresentou expansão de 1,4% em agosto, até dia 11, na comparação com igual período de julho. Entre os segmentos, o estoque de pessoa física teve avanço de 1,3% e as operações para empresas subiram 1,5%.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.