Tamanho do texto

O crédito ao consumidor nos Estados Unidos encolheu US$ 3,5 bilhões para US$ 2,483 trilhões em outubro, segundo informou o Federal Reserve (Fed, banco central americano), marcando o nono mês seguido de declínio, com os consumidores americanos evitando usar seus cartões de crédito. Porém, o declínio de outubro foi muito menor do que o esperado pelos analistas de Wall Street, que projetavam uma contração de US$ 10 bilhões.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237575396374&_c_=MiGComponente_C

O dado de setembro foi revisado para um declínio de US$ 8,8 bilhões, de uma estimativa inicial de queda de US$ 14,8 bilhões.

Com a crise financeira, os consumidores americanos começaram há pouco mais de um ano um processo de desalavancagem, diante da recessão econômica, aumento do desemprego e excesso de dívida das família. A redução no crédito ao consumidor é uma preocupação porque o gasto de consumo representa uma grande parte da economia dos EUA.

O crédito rotativo, ou uso do cartão do crédito, caiu em US$ 7 bilhões para US$ 888,1 bilhões em outubro, marcando o 13º mês seguido de declínio. O crédito não rotativo - que inclui financiamento de automóveis e motor-homes - aumentou em US$ 3,4 bilhões para US$ 1,595 trilhão.

O dado do crédito ao consumidor exclui as hipotecas residenciais e outros financiamento garantidos por imóveis. O relatório tende a ser altamente volátil de um mês para outro e é frequentemente revisado. Mas o relatório ainda fornece detalhes sobre como os americanos financiam seu estilo de vida. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre crédito

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.