Tamanho do texto

A qualidade da energia elétrica entregue aos brasileiros piorou em 2009, com o aumento de apagões em todo País. Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostram que, pela primeira vez desde a privatização, o número de horas que os consumidores ficaram sem luz superou o limite estabelecido para o período.

A qualidade da energia elétrica entregue aos brasileiros piorou em 2009, com o aumento de apagões em todo País. Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostram que, pela primeira vez desde a privatização, o número de horas que os consumidores ficaram sem luz superou o limite estabelecido para o período. O tempo médio subiu de 16,63 para 18,70 horas.

A deterioração começou a ser desenhada em 2008 e se aprofundou em 2009 com o apagão de novembro, que atingiu 18 Estados. Além disso, a sequência de desligamentos regionais contribuiu para elevar o indicador. Em várias regiões, o movimento se repetiu no primeiro trimestre.

As empresas, as distribuidoras e as transmissoras, atribuem o resultado às condições climáticas. Como a maior parte da rede é aérea, os fios são atingidos por raios e queda de árvores. Outra explicação está na alta do consumo residencial acima do previsto. Nos últimos 5 anos, o uso de energia por esses clientes cresceu quase 30%. Só em 2009 o avanço foi de 6%, reflexo também dos incentivos dados pelo governo para a venda de eletrodomésticos durante a crise. Sem imposto, os produtos ficaram mais acessíveis. Isso elevou o consumo desses bens e da eletricidade.

Para alguns especialistas, porém, o aumento dos apagões está diretamente ligado ao volume de recursos aplicados na manutenção e operação da rede. Embora o volume de investimentos nos últimos anos tenha alcançado cifras elevadas - R$ 43 bilhões entre 2002 e 2008 -, isso não significa que foi suficiente para atender o crescimento do mercado, diz o professor Nivalde Castro, do Grupo de Estudo do Setor Elétrico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.