Tamanho do texto

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente da Usiminas, Marco Antônio Castello Branco, afirmou nesta quarta-feira que a Usiminas Mecânica, subsidiária do grupo, recebeu "uma série de pedidos" de orçamentos de componentes hidráulicos, como comportas, a serem eventualmente instalados na usina hidrelétrica de Belo Monte, cujo leilão está previsto para 20 de abril.

"Todas as construtoras fizeram pedidos de orçamento para Belo Monte", disse o executivo, que deixará o cargo no próximo dia 30 de abril.

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente da Usiminas, Marco Antônio Castello Branco, afirmou nesta quarta-feira que a Usiminas Mecânica, subsidiária do grupo, recebeu "uma série de pedidos" de orçamentos de componentes hidráulicos, como comportas, a serem eventualmente instalados na usina hidrelétrica de Belo Monte, cujo leilão está previsto para 20 de abril.

"Todas as construtoras fizeram pedidos de orçamento para Belo Monte", disse o executivo, que deixará o cargo no próximo dia 30 de abril.

As empresas precisam fazer orçamentos sobre o custo que terão com a obra para poder formular seus lances no leilão.

Entre as empresas que procuraram a Usiminas, Castello Branco citou a Camargo Corrêa, Odebrecht e Queiroz Galvão, além da Voith, especializada em equipamentos para usinas hidrelétricas e serviços industriais, e a Inepar, voltada para o mercado de geração, distribuição de energia, petróleo e gás natural.

Para o presidente da Usiminas, o preço-teto de 83 reais por megawatt-hora é desafiador.

"Se conseguir (se o leilão tiver sucesso) vai ser muito bom para o país... o custo do licenciamento ambiental é alto", afirmou.

O Ibama concedeu licença ambiental prévia para Belo Monte mediante contrapartida mínima de 1,5 bilhão de reais do consórcio vencedor.

O governo federal prevê a participação de ao menos dois consórcios, sendo o primeiro, já confirmado, formado por Andrade Gutierrez, Neoenergia, Votorantim e Vale.

Na semana passada, Camargo Corrêa e Odebrecht saíram da disputa. O preço-teto é criticado por investidores por ser considerado abaixo do esperado para garantir o retorno do investimento.

Com custo previsto de 19 bilhões de reais, a usina de Belo Monte tem entrada de operação prevista para 2015 (1a fase) e 2019 (2a fase), e terá capacidade instalada 11 mil megawatts, com garantia física de 4.571 megawatts médios.

(Por Alberto Alerigi Jr)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.