Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Conheça o projeto chinês que motivou a saída da Embraer

Comac é formada por um consórcio de empresas e é controlada pelo governo chinês

iG São Paulo |

Reprodução
ARJ 21 tem motor General Electric e o número de assentos varia 70 a 100 em duas versões
A decisão da Embraer de fechar sua fábrica na China foi motivada pelos planos chineses de produzir seus próprios aviões a partir de 2011, por meio da Comac. A empresa é  formada por um consórcio de empresas e controlada pelo governo chinês, contou com a ajuda de 19 grandes fornecedores de componentes europeus e americanos - como General Electric que fornecerá o motor - para construir um avião comercial na tentativa de reduzir a dependência da China pelas aeronaves da americana Boeing e europeia Airbus.

Mas o primeiro modelo a sair da linha de montagem é o jato de médio porte, o ARJ-21. A primeira fase do programa foi o desenvolvimento de um avião de 70 e 80 lugares, podendo ser estendido para 90 a 100 assentos. Concluída sua montagem em 2007, o ARJ-21, que vem fazendo voos testes, deve começar a voar comercialmente no fim deste ano. Até agora, a fabricante já garantiu quase 250 pedidos e 20 opções - praticamente tudo para o mercado chinês, um dos que mais cresce no mundo.

Os chineses dizem que o modelo foi desenvolvido de forma independente, mas os críticos dizem que foi inspirado no MD90, da McDonnell Douglas, quando a antiga fabricante, que se fundiu à Boeing, operava por meio de uma joint venture na China. Com esse jato, a Comac já pensa no futuro. Ela deseja concluir a tempo o desenvolvimento do modelo C919 - um jato maior que espera colocar no mercado em 2016 para bater de frente o Airbus A320 e o Boeing 737.
 

Leia tudo sobre: embraercomacchinaaviãoaviaçãofábrica

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG