Tamanho do texto

Pesquisa da CNI mostra que, para 55% dos entrevistados, a inflação vai aumentar; e para 14%, a inflação aumentará muito

selo

Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgada há pouco indica que o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) de junho caiu a 111,8 pontos, ante 112,1 pontos em maio. Segundo a CNI, é o pior cenário desde junho de 2009, quando o Inec havia chegado a 110 pontos, mas recuperando-se logo depois. Em junho do ano passado, por exemplo, o Inec estava em 114,7 pontos. A pesquisa do Inec foi realizada pelo Ibope entre 16 e 20 de junho, com 2.002 pessoas em todo o País.

A CNI ressalta que nesta mais recente edição da pesquisa foi possível apurar que os consumidores continuam bastante preocupados com a inflação. Apesar de o Inec de junho ter ficado 0,3% abaixo do valor registrado em maio, a CNI avalia que o comportamento recente do indicador representa uma "estabilidade". Nessa análise, a confederação destaca que o Inec de abril havia ficado em 112,0 pontos. Ou seja, nos últimos três meses o índice tem permanecido em um patamar semelhante e sugere que a trajetória de queda mais acentuada pode ter chegado ao fim, destaca a CNI.

Pela metodologia da pesquisa, a base do índice é 100, sendo que números mais próximos da base representam maior preocupação. Em nota, o economista da CNI Marcelo Azevedo avalia que a queda no Inec observada desde outubro de 2010 (quando chegou a 120,7 pontos) apenas reflete um crescimento intenso do índice após a crise global de 2009, ou seja, uma base de comparação bastante alta do período pós-crise.

"Soma-se a isso o atual cenário econômico, que não é favorável ao consumo, com inflação e taxa de juros em alta e contenção do crédito", explica Azevedo.

O Inec é composto por seis indicadores. O índice referente a expectativas do consumidor em relação à inflação, que marcava 100,1 pontos em maio, subiu para 100,4 pontos em junho. O indicador relativo ao endividamento também aumentou de 104,9 pontos, em maio, para 105,6 pontos, em junho. Os demais quatro índices caíram: expectativa de desemprego (132,1 pontos em maio; para 130,6 pontos, em junho); expectativa de renda pessoal (112,5 pontos, em maio, para 112,1 pontos, em junho); situação financeira (112,8 pontos, em maio, para 111,7 pontos, em junho); e compras de bens de maior valor (112,2 pontos, em maio, para 111,9 pontos, em junho).

A CNI destaca que o índice de otimismo em relação à evolução do emprego foi o que apresentou maior redução no período, com queda de 1,2% em junho na comparação com maio. Ainda assim, está 9,5% acima da média histórica para o mês. A confederação ressalta que em relação às perspectivas sobre inflação, mesmo com um crescimento de 0,4% ante maio, o indicador está 14,4% abaixo do registrado em junho de 2010 e 13,8% abaixo da média histórica para o mês. Mas o estudo mostra que os consumidores continuam receosos com a trajetória de alta da inflação. Para 55% dos entrevistados, a inflação vai aumentar; e para 14%, a inflação aumentará muito.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.