Tamanho do texto

Dilma Rousseff afirmou que o governo está dando início a uma "cruzada em defesa da indústria brasileira"

O governo anunciou nesta terça-feira reforços ao financiamento à indústria e medidas de desoneração tributária para setores intensivos em mão de obra e exportadores, em um esforço para elevar os investimentos no país e compensar parcialmente prejuízos provocados pelo real valorizado.

O pacote de medidas, denominado Plano Brasil Maior, incluiu a redução de 20% para zero, da alíquota de contribuição patronal ao INSS para os setores de confecções, calçados, móveis e softwares, e a prorrogação de desonerações para bens de capital.

Ao anunciar as medidas, que custarão R$ 25 bilhões aos cofres públicos em dois anos, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o governo está dando início a uma "cruzada em defesa da indústria brasileira" , em meio a um cenário internacional marcado pela concorrência "desleal e predatória".

"É imperativo defender a indústria brasileira e nossos empregos da concorrência desleal da guerra cambial", afirmou Dilma.

O governo anunciou que, dentro de 90 dias, passará a restituir aos exportadores o equivalente a 3% de suas receitas com exportações a título de compensação pelo pagamento de tributos ao longo da cadeia que não são desonerados pelas sistemáticas vigentes. Essa restituição, paga em espécie, é calculada em cerca de R$ 4 bilhões ao ano.

Para este ano, o pagamento começará a ser feito dentro de cerca de três meses e é estimado em cerca de R$ 600 milhões.

O governo também anunciou que a devolução dos créditos tributários de PIS e Cofins sobre bens de capital passará a ser paga de forma automática. O prazo atual é de até 12 meses.

O pacote engloba ainda a prorrogação de linhas de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), incluindo o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), prorrogado até dezembro.

As reações iniciais às medidas por parte das entidades representativas da indústria foram positivas, mas empresários frisaram que viram o pacote como um passo inicial, e que avanços são esperados.

"Como foi bem dito pela presidenta Dilma, trata-se de um início. Lógico que não resolve totalmente os problemas, mas foi um bom início", afirmou o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

Leia ainda:

- Política industrial: Ivan Ramalho diz que é abrangente e positiva

- Presidente da CNI diz que plano Brasil Maior é 'insuficiente'

- Fecomercio elogia Brasil Maior, mas pede extensão a todos setores

- Abimaq: medidas serão inócuas se não mexer no câmbio