Tamanho do texto

O aumento da demanda interna por produtos petroquímicos, com destaque para as resinas termoplásticas, permitirá à Braskem operar em 2010 com taxa máxima de utilização em suas centrais petroquímicas. A previsão do presidente da companhia, Bernardo Gradin, é de que a capacidade utilizada fique acima de 97% neste ano.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561623763&_c_=MiGComponente_C

A estimativa, destacou Gradin, não considera a incorporação dos ativos da Quattor e eventuais paradas de produção, assim como surpresas no fluxo do mercado.

A direção da Braskem trabalha com a previsão de que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresça aproximadamente 6% neste ano, levando consigo a demanda por resinas para uma alta de 8% a 9% sobre o ano passado. Gradin disse também que a tomada de decisão para o investimento no complexo petroquímico que será construído pela Braskem em parceria com a Idesa no México pode ser antecipada para o começo de 2011. O polo demandará investimentos de aproximadamente US$ 2,5 bilhões e produzirá 1 milhão de toneladas anuais de eteno e 1 milhão de toneladas anuais de polietilenos. A participação da Braskem no consórcio ficou definida em 65%.

A Braskem terá até o começo do segundo semestre deste ano para definir a respeito de sua participação no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e no Complexo Suape (em Pernambuco), conforme negociado anteriormente com a Petrobras.

O prazo tem como base o recebimento pela Braskem de materiais da estatal sobre os dois projetos, o que deve acontecer até o fim do mês. O cronograma de 120 dias passa a contar a partir da data de envio das informações pela Petrobras, disse.

O prazo para a definição da participação foi divulgado em janeiro passado, quando Braskem e Petrobrás formalizaram a compra da Quattor pela primeira empresa. As companhias não haviam informado, no entanto, o intervalo de vigência desse prazo. Com a explicação, fica esclarecido que a resolução sobre a presença da Braskem nos dois projetos liderados pela Petrobras deve ocorrer no máximo até julho. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.