Tamanho do texto

Correios fazem hoje primeira audiência pública para concorrência, que pode atingir quantias bilionárias em faturamento anual

A Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) foi surpreendida ontem com um impulso relevante do governo federal no interesse de instituições financeiras pelo processo de licitação do Banco Postal, na avaliação de profissionais do setor. O Conselho Monetário Nacional (CMN) determinou que os Correios poderão fazer operações de câmbio , o que significa um novo serviço e, portanto, nova fonte de receitas. Hoje ocorre uma audiência pública do processo de licitação às 14 horas, em Brasília.

Há dez anos o contrato de operação das agências como correspondente bancário é de exclusividade do Bradesco. Mas o edital que será debatido em audiência hoje prevê nova licitação do Banco Postal a partir de janeiro de 2012. Estima-se que o negócio signifique faturamento de bilhões de reais por ano para o banco vencedor da concorrência.

A ECT quer, no novo contrato do Banco Postal, melhorar a divisão de receitas entre a empresa e o banco operador dos serviços. Em 2001, a incerteza quanto ao sucesso da operação fez com que os bancos concorrentes fizessem propostas conservadoras. A proposta vencedora, do Bradesco, incorpora a maior parte dos lucros com o Banco Postal. No ano passado, a ECT lucrou apenas R$ 350 milhões com o Banco Postal, mas entende que poderia lucrar mais com a operação, a partir de 2012.

Hoje, os Correios já possuem mais de 10 milhões de contas abertas pelo Banco Postal, com um crescimento de cerca de 4.500 novas contas por dia, segundo a estatal. Segundo o edital, podem participar da concorrência às instituições financeiras com mais de R$ 21,6 bilhões em ativos totais. A exigência limita a concorrência aos 14 maiores bancos do Brasil, segundo balanço do Banco Central com os dados consolidados de cada instituição até setembro de 2010.

Cartões podem entrar no jogo

Para aumentar sua receita com serviços bancários, os Correios consideram também a possibilidade de oferecer cartões de crédito e pré-pagos (que desde ontem podem incorporar o modelo de cartão pré-pago para gastos no exterior). Os cartões, como as operações de câmbio, podem ser licitados junto ou separadamente no edital Banco Postal, dependendo do resultado da audiência e da avaliação da ECT. Mesmo que a licitação não englobe todos os serviços, ela daria vantagens para o seu vencedor estender sua atuação para os novos mercados, na avaliação de analistas do setor financeiro.

A vantagem dos Correios em atuar com câmbio, assim como no Banco Postal, é sua capilaridade no país. Enquanto a Confidence, maior corretora de câmbio do Brasil, tem 120 agências no país e pretende chegar a 150 até o fim do ano, a ECT já entraria no mercado com potencial de 6.192 agências, em 5.266, que é a presença atual do Banco Postal.

Adaptação operacional deve levar um ano

Com a autorização dada pelo CMN ontem, as casas lotéricas, correspondentes bancários da Caixa Econômica Federal, também poderão fazer operações de câmbio. A meta do CMN foi melhorar a oferta de locais onde se trocaria dinheiro tendo em vista a perspectiva de chegada de elevado número de estrangeiros para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016. Estima-se que, para tornar as redes de ECT e lotéricas operacionais para o câmbio leve mais de um ano.