Tamanho do texto

Ministra das finanças da Nigéria permanercerá como única candidata dos países em desenvolvimento

O ex-ministro colombiano das Finanças José Antonio Ocampo deve retirar nesta sexta-feira sua candidatura à presidência do Banco Mundial (Bird), em comum acordo com países emergentes e em desenvolvimento para que estes possam se reunir em torno de uma candidatura única, disseram três fontes.

Leia também: Americano e nigeriana disputam presidência do Banco Mundial

As fontes disseram que uma pesquisa entre dirigentes do Bird, com representantes do chamado Grupo dos 11, que inclui países emergentes e a Austrália, reforçou apoio à ministra das Finanças da Nigéria, Ngozi Okonjo-Iweala.

A ministra permaneceria como única candidata dos países em desenvolvimento em uma disputa contra o indicado dos Estados Unidos, Jim Yong Kim, americano-coreano e especialista em saúde apontado desde já como favorito à chefia do Bird.

As nações emergentes tentam desafiar a liderança norte-americana no Banco Mundial para elevar sua influência em instituições econômicas globais historicamente controladas por nações ricas.

Apesar de Kim ser o favorito para a presidência do Bird devido ao apoio dos EUA e dos países europeus, uma concorrência acirrada por parte dos mercados emergentes poderia colocá-los em uma posição mais forte para exigir concessões favoráveis a seus interesses e também elevar suas chances de conquistar cargos de chefia no futuro.

Nesta sexta pela manhã, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o governo brasileiro deve decidir até o fim do dia qual candidato o Brasil apoiará na disputa pelo comando do Bird.

Segundo ele, a ideia é que essa decisão seja tomada em conjunto com os Brics -formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.