Tamanho do texto

De acordo com Juan Carlos Echeverry, taxa de investimento recorde de 20% fez com que PIB chegasse à casa dos 6% no ano passado

A economia da Colômbia teria crescido cerca de 6% em 2011 e deverá ter uma expansão entre 5% e 6% neste ano, em meio a expectativas de inflação que começam a ceder ante recentes altas das metas de juros, disse neste domingo à Reuters o ministro da Fazenda da Colômbia, Juan Carlos Echeverry.

O Produto Interno Bruto (PIB) de 2011, cuja cifra oficial será divulgada nos próximos dias, seria impulsionado pelo dinamismo da demanda interna, com uma taxa de investimento recorde que neste ano seria novamente superada, previu Echeverry em uma entrevista à Reuters em Montevidéu.

O forte consumo local e uma taxa de investimento que alcançou uma alta anual de 20% em janeiro-fevereiro empurraria o PIB do primeiro trimestre para crescer cerca de 5%, em meio a um complexo cenário internacional que lentamente começa a dissipar-se, disse Echeverry.

O dinamismo da demanda interna pressionou o Banco Central colombiano a aumentar os juros para "resfriar o consumo", disse Echeverry, que também é membro do BC.

"Já as previsões (de inflação) reduziram-se a 3,5%, caminham na direção correta e queremos ancorá-las em 3%. De maneira que é muito claro nosso compromisso com a inflação, isso é indispensável", disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.