Tamanho do texto

SÃO PAULO (Reuters) - A Confederação Nacional da Indústria (CNI) prevê que a economia brasileira ficará estagnada neste ano por conta da crise global, uma piora significativa frente ao crescimento de 2,4 por cento estimado há três meses. Para a entidade, que atualizou suas projeções nesta quinta-feira, as ações de política econômica adotadas para enfrentar as turbulências externas mostram sucesso apenas relativo.

"A política monetária não foi utilizada com a celeridade e o vigor que a situação exige. A redução na taxa Selic tardou", avaliou a CNI.

O prognóstico para a indústria é de retração de 2,8 por cento este ano, frente à previsão anterior de crescimento de 1,8 por cento. A indústria de transformação deve recuar 4,5 por cento e a extrativa mineral, 3,7 por cento.

A expectativa para a agropecuária é de uma queda de 1,0 por cento.

A CNI estimou ainda que a formação bruta de capital fixo --uma medida dos investimentos-- sofrerá baixa de 4,4 por cento, frente à projeção anterior de alta de 3,0 por cento.

A taxa média de desemprego deve alcançar 9,1 por cento, enquanto a Selic deve cair para 9 por cento ao ano no encerramento de 2009. Atualmente, a taxa básica está em 11,25 por cento.

(Texto de Daniela Machado)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.