Tamanho do texto

Projeção anterior era de crescimento de 3,5%; PIB industrial deve crescer 3,2%, conforme estimativas da Confederação

selo

Com o crescimento de 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no primeiro trimestre de 2011, ante o mesmo período do ano passado, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) revisou de 3,5% para 3,8% suas estimativas para o desempenho da economia este ano. A expectativa de expansão do PIB industrial também subiu de 2,8% para 3,2%.

Os dados oficiais do PIB foram divulgados na manhã desta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mesmo com as mudanças em suas projeções, a CNI ressalta que indicadores recentes da Sondagem Industrial e o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) mostram que o ritmo da atividade econômica será menor nos próximos meses.

A CNI observa que, apesar do bom desempenho da indústria no período, as medidas de restrição ao crédito, determinadas pelo governo, desaceleraram o consumo das famílias, que passou de alta de 2,3% no quarto trimestre de 2010 para aumento de 0,6% no primeiro trimestre de 2011 - ambos em comparação com o trimestre anterior. "Essa é a menor variação desse indicador desde a forte queda registrada no quarto trimestre de 2008, quando eclodiu a crise financeira internacional", ressaltou a entidade, por meio de nota.

A CNI observa ainda que, "na contramão da tendência do consumo das famílias", os gastos do governo aumentaram 0,8% nos primeiros três meses de 2011, em relação ao último trimestre de 2010. Já as exportações caíram 3,2% e as importações recuaram 1,6% no período.

Leia mais:

- Exportações e importações têm maior queda após crise financeira
- Inflação e crédito curto fazem consumo desacelerar
- Analistas preveem desaceleração da economia até o fim do ano