Tamanho do texto

Embora julgue difícil prever os efeitos da crise sobre as telecomunicações, o presidente da Claro, João Cox, diz que pode elevar os investimentos no País em 2009. Não há previsão de corte.

Se eu tiver de mexer nos investimentos, será para aumentá-los", afirmou hoje a jornalistas.

No ano passado, a Claro investiu US$ 1 bilhão. Outros R$ 1,4 bi foram empregados na compra de licenças para explorar a tecnologia de telefonia móvel de terceira geração (3G). Segundo Cox, o investimento em ativo permanente - Capex deve priorizar a expansão da rede nas áreas já cobertas e levar a 3G da Claro, cujo sinal está disponível a 97 milhões de pessoas em mais de 300 cidades, às áreas que hoje não são cobertas.

Cox disse que é difícil traçar um panorama de mercado com base nos dados de janeiro, mês tradicionalmente mais fraco para o setor em razão do período de férias. Mesmo assim, ele comentou que as vendas no início deste ano foram melhores que no começo de 2008 - e que a operadora não percebeu mudanças nos índices de inadimplência.

Apesar das incertezas, ele acredita que 2009 exibirá o mesmo número de adições líquidas na telefonia móvel que em 2008, período em que a Claro recebeu 8,5 milhões de clientes. Em termos porcentuais, o avanço no número de adições líquidas deve ser menor do que no calendário passado, "mas ainda de dois dígitos", no Brasil e na Claro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.