Tamanho do texto

A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês) da China informou que o governo do país vai elevar os preços máximos da gasolina e do diesel a partir de amanhã

selo

A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês) da China informou que o governo do país vai elevar os preços máximos da gasolina e do diesel a partir de amanhã. A gasolina terá um aumento de 230 yuans por tonelada. Isso representa uma elevação de cerca de 3% sobre o limite médio atual dos preços no varejo, que é de 7.990 yuans por tonelada. Já o diesel terá uma alta de 220 yuans por tonelada. Atualmente o teto do preço do combustível é de 7.260 yuans por tonelada, segundo os cálculos da Dow Jones.

A China também vai elevar o preço ex-factory (preço do produto na saída da fábrica, sem impostos) referencial do querosene de aviação nº 3 em 220 yuans por tonelada, para 5.690 toneladas, de 5.470 por tonelada.

Os preços do petróleo bruto na China vão permanecer mais baixos do que os níveis internacionais após o aumento, porque o governo considerou o impacto potencial na situação econômica interna, entre outros fatores, e decidiu manter parte do controle sobre os preços dos combustíveis, comentou a NDRC.

A medida se deve à elevação dos preços do petróleo nas últimas semanas, por causa da fragilidade do dólar, uma demanda interna maior pela commodity no país e dados econômicos melhores em alguns países importantes.

A NDRC afirmou que a decisão de elevar os preços dos combustíveis pode ter certo impacto nas expectativas de inflação, mas acrescentou que o impacto na inflação será mínimo. Ainda de acordo com a comissão, o aumento nos preços teria sido maior sem a recente apreciação do yuan. O governo acrescentou ainda que a alta do yuan ante o dólar é benéfica, já que reduz os custos do petróleo bruto importado.

A NDRC, que é a maior responsável pelo planejamento econômico da China, disse em seu site na internet que planeja melhorar mais o mecanismo de preços para combustíveis, para que ele reflita com maior flexibilidade as mudanças de oferta e demanda do mercado. Segundo a comissão, o ciclo de ajustes nos preços tem sido muito longo, o que pode facilmente gerar especulações.

De acordo com a reforma no mecanismo de preços de produtos de petróleo introduzida no começo de 2009, os preços internos dos combustíveis podem ser ajustados quando a média móvel de uma cesta composta por diversos tipos de petróleo bruto internacionais oscila mais de 4% em um período de 22 dias úteis. O mecanismo também inclui uma cláusula para garantir que as refinarias tenham uma margem de lucro de 5%, desde que os preços internacionais do petróleo bruto estejam abaixo de US$ 80 o barril. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.