Tamanho do texto

Dados apontam que economia chinesa acelerou 8,3% nos primeiros três meses de 2012, menor nível desde 2009

A economia da China provavelmente cresceu em seu ritmo mais lento em quase três anos entre janeiro e março, a uma taxa de 8,3%, o que seria o nível mais baixo desde o segundo trimestre de 2009. Durante os últimos três meses de 2011, a taxa interanual foi de 8,9%.

Mas o moderado crescimento ainda está dentro da zona de conforto de Pequim e muito mais alta que a meta de crescimento do governo para todo o ano de 7,5%. O primeiro-ministro, Wen Jiabao, agitou os mercados no início de março quando anunciou tal meta de crescimento, que está abaixo da taxa de 8 por cento vista nos últimos oito anos.

Zhang Xiaoqiang, vice-presidente do principal planejador econômico da China, apontou que a segunda maior economia do mundo cresceu 8,4% nos três primeiros meses de 2012.

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) deverá apoiar as apostas de que a economia chinesa está esfriando, mas não está em crise. Outros dados de atividade como investimentos em ativos fixos, produção industrial e vendas no varejo deverão confirmar que uma "aterrissagem forçada" não está cercando o país.

Os dados de março serão os primeiros deste ano que não virão distorcidos pelas festividads do Ano Novo Lunar, assim os investidores irão buscar na divulgação pistas sobre como a economia chinesa realmente está indo.

Os prognósticos sugerem que a economia está se segurando. O crescimento do investimento, a produção industrial e as vendas no varejo têm ficado bastante estáveis desde fevereiro. Qualquer decepção poderia levar os investidores a colocar suas esperanças em Pequim para que "afine" a política para estabilizar a economia, como prometeu outra vez esta semana o primeiro-ministro Wen.

O presidente do Banco Central, Zhou Xiaochuan, também prometeu esta semana usar várias ferramentas de política monetária para fazer frente à inflação e desenhar uma "aterrissagem suave".

Porém, se o crescimento econômico da China se desacelerar fortemente com o crescimento caindo abaixo de 8%, a maioria dos analistas espera que Pequim diminua as exigências de compulsório para os bancos, apesar de se abster de reduzir as taxas de juros.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.