Tamanho do texto

Comissão Regulatória de Seguridade da China afirmou neste mês que a cota total seria elevada em US$50 bilhões para US$80 bilhões

A China acelerou suas aprovações para permitir que mais investidores estrangeiros comprem ações e títulos domésticos em março, distribuindo 11 licenças conhecidas como Investidor Institucional Estrangeiro Qualificado (QFII, na sigla em inglês), quase igualando o número de licenças emitidas durante os dois meses anteriores.

China enfrenta inflação e riscos ao crescimento, diz premiê

A Comissão Regulatória de Seguridade da China (CSRC) afirmou neste mês que a cota total de QFII seria elevada em US$50 bilhões, para US$80 bilhões, uma vez que o recém-nomeado presidente Guo Shuqing quer acelerar as reformas no mercado de capitais.

No mês passado, a CSRC emitiu licenças para instituições como American International Assurance Co Ltd, Tokio Marine Asset Management Co Ltd e JPMorgan Asset Management (UK) Ltd, de acordo com o site do regulador. Em janeiro e fevereiro foi emitido um total de 12 licenças.

A China lançou o esquema QFII em 2003 para permitir que investidores estrangeiros comprem ações e títulos chineses, como parte dos esforços para desregulamentar os mercados de capitais do país.

Até agora a China emitiu licenças para 158 investidores estrangeiros e 129 deles obtiveram cotas combinadas de US$24,55 bilhões junto ao regulador até 9 de março.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.